quinta-feira, 30 de julho de 2009

Me Entristece!







Continuamos a regar as flores

Com sangue pólvora e chumbo

Acredito que sejam as piores dores

Causada para uma mãe no mundo.


Pense no impacto causado

Acostumada a vê-las brincando

E um corpo pequeno sendo velado

E uma mulher chorando.


Só elas para serem irresponsáveis

Ao ponto de nos deixar sem jeito

Fazendo-nos perguntas não palpáveis

Chegando a faltar ar em nosso peito.


Como não gostar de criança

Entre todas as maravilhas

É o maior sinal de esperança.


Choram sem medo e não se envergonham

Com uma simples promessa

Fecham os olhos e sonham.


Como soldados na guerra que causam terror

Deixamos bebes em caixas e sacolas

O que era pra ser resultado de um grande amor.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Do fel ao mel







Sentir seu coração

Fez sentir-me vivo

Ao tocar a sua mão

Fiquei envaidecido.


Deprimido não fico

Pois contigo estou

Um ombro amigo

Que me confortou.


Simples e complexo

Assim é o nosso amor

As vezes sem nexo

Como água, óleo e flor.


Fui colher o mel

A abelha me fez conhecer

O puro gosto do fel

Mas me ensinou a viver.


Mais foi tão perfeito

Sem palavras ao léu

Fiquei feliz em meu leito

Que me elevei ao céu.


Agradeço por me ensinar

E me mostra a dor

Pois pude diferenciar

O melhor, que é o amor.

sábado, 18 de julho de 2009

Wilson Simonal








COLECIONADOR DE AMIGOS



Ele trazia o bolso cheio de carinho
E um coração tão grande que já não cabia mais no peito
Tinha a voz suave como o vinho
E uma canção singela para cada amor desfeito
Vivia a vida na terra
Como se estivesse no céu
Ele escrevia com a tinta
Da sua voz no papel
Em vez de selos ou livros colecionava amigos
Que não comprava na feira nem nas lojas chiques da cidade
Mas que ganhava com os olhos de paz e sinceridade
Com muito amor colecionava amigos de verdade
Ele só colecionava amigos.

(Jorge Benjor - Paulinho Tapajós)

Quem já ouviu sabe que essa é mil grau.