terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Av. Paulista






 



  
Nas calçadas
não havia fogos de artifícios
nem roupas brancas
ou barbas feitas
meia-noite
começou a chuva
embaixo das marquises
cada um se ajeita
talvez tenha dor
outrora aflição
ali os mesmos moradores
nem notavam
que já era réveillon
os ricos vestem branco
os pobres tentam
mas o branco deles
é meio amarelado
os que não pensam
fazem besteira
e são atropelados
quando todos se abraçam
desejam feliz ano novo
novamente tudo se acaba
uns beijam outros murmuram
alguns se drogam
e vão para o outro mundo
eu oro por todos
depois durmo.

2 comentários:

  1. Texto bacana demais. Extamente com essa angústia que me senti na virada do ano. Uma tia surda e sem conseguir se comunicar direito foi atropelada na tarde do dia 31 e só fiqueis abendo dia 2, quando conseguiram me avisar ! triste...e real, assim como seu texto !
    parabéns
    bjo

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, emocionante. Passei a virada em casa, sozinha, angustiada com a hipocrisia do ser humano. Mas a vida segue...
    Parabéns!
    Solitary Phoinix

    ResponderExcluir