terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Tristeza do Sambista








Felicidade hoje é fantasia
e o povo canta mesmo sem saber
que a favela virou poesia
na boca de quem nunca soube o que é sofrer
Quando sopra o vento
no mês de Fevereiro
a nega me pergunta "o que fazer?"
O Zinco tremulando é um pesadelo
só rezo e peço a Deus para nos proteger
Felicidade hoje é fantasia
e o povo canta mesmo sem saber
que a favela virou poesia
na boca de quem nunca soube o que é sofrer
Todos cantam todos falam
mas esquecem o principal
a tristeza do sambista
é não ter no carnaval
Sua própria fantasia
e um barraco em condição
para não ver a realidade
no desfile da ilusão
Felicidade hoje é fantasia
e o povo canta mesmo sem saber
que a favela virou poesia
na boca de quem nunca soube o que é sofrer
Composição: Geraldo Filme (1928-1995)

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Mais Uma Vez Meu Povo.








meu povo,
que tanto luta,
este povo,
que nunca desfruta,
olha pro céu,
agradece pela chuva,
quando ela vem,
e nada inunda,
o governo
se fez presente,
com a tropa de choque
para controlar
essa gente,
em cinco minutos
a água subiu,
duas crianças e uma senhora
caíram no rio.
quantos joãos e marias
em tremenda agonia,
sofrimento dor
extrema desesperança,
e com muita fé
depois da tempestade
vem a bonança,
enquanto ela não vem,
moradores procuram
as crianças,
os bombeiros chegaram
depois de um dia,
praticamente essa ajuda
não mais servia,
e eu que acreditava
na esperança,
vejo isto como insídia
pelos condutores da nação,
colocam os ricos no centro
e o povo no fundão,
e na tv eles falam
para protestar,
ai percebem que vale a pena
pagar para o choque treinar,
bombas de gás
e tiro de borracha,
vamos exigir e apanhamos
e eles seguros
ficam dando risada,
Cidade A E Carvalho
este é o nome do lugar,
construíram uma casa
chamada de injustiça
e colocaram-nos pra morar,
imaginar é fácil
difícil é presenciar,
a poesia não salvou ninguém
e só me fez sentir culpa,
uma palavra me pedem
não sei como oferecer ajuda,
por isso me tornei iconoclasta,
pois deste sofrimento
acho que já basta,
previsão do tempo
chuva de novo,
quem sofre mais uma vez
são os periféricos,
que com prazer
chamo de meu povo.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Aconteceu!




 








Começou
ninguém soube explicar
o que se viu foi embaraçado
mas aconteceu
todos correram sem pensar
só se ouvia gritos 
distorcidos que alguém caiu
a multidão se acalmou
estamos voltando
me lembrei daquelas imagens
parecendo arrastão
licença, licença,
que agora estou passando 
esse era um homem forte
cheio de explicação
de repente
ouço um grito ensurdecedor
não! não! meu filho não!
só faltou a senhora
morrer do coração
o homem caiu
e ali mesmo padeceu
ninguém sabe o porquê
mas, consumado o fato
sabe-se que aconteceu.