segunda-feira, 24 de maio de 2010

Por isso eu rimo.









É difícil, não sei se vou aguentar, até o que acredito estão tentando derrubar, é muita coisa que vem bater de frente, às vezes sinto falta, de um elo na corrente vejo esse espaço que tem de ser preenchido nem que seja um ex inimigo que se torna amigo e vem correr comigo talvez com duas vozes ai seriamos ouvidos, mas é óbvio isso é coisa da cabeça, do ser humano que se faz de besta insistimos em negar a verdade e sempre investimos em nossa vaidade. Querer correr por nos isso eu sei que é mentira porque o que importa a eles são as próprias vidas fome, dores, pestilência, religiões que dividem e só inventam crenças eu já não sei mais o que vou fazer se desisto da luta ou até de viver Querem ouro, prata e bronze, mas esquecemos que não é isso que te faz ser homem e ter coragem e apetite de guerreiro é mudar o quadro quando da dor se é herdeiro é dividir a vitória que é terminar o dia isso sim é uma gloria já agradeceu ao criador e já fez sua parte para cultivar o amor pra que a felicidade se complete e sempre lembrando tudo na vida é um teste de resistência e as desavenças saber chegar e sair sempre pedindo licença o sorriso da criança vai servindo de alimento para que eu não me acovarda e resista aos meus tormentos porque o mundo esta me deixando no chão mas não vivo só por mim isso envolve o coração porque tem a dor e as minhas agonias e a batalha travada todo dia consolar uma mãe que chora, Eu não posso desistir vou escrevendo minha história todo dia é uma folha em branco não posso deixar passar é isso ai que eu canto ainda tenho fôlego para cantar o que se vai fazer escolhi acreditar é por isso que eu rimo as vezes penso em parar porque existe uma dor que insiste em pressionar vivo desse jeito numa dor que me devora penso estar sozinho mas sei que alguém por mim ora.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Por quê? Dos porquês.


















Não sei por que,
existe um porque para tudo.
Por que aquele garoto é mudo.
Por que o outro é surdo.
Vivemos num mundo só de loucos.
Alguns gostam de carros,
ou de jóias, ou pesquisar frutos.
A Maioria de futebol,
outros de voleibol.
Pessoas acordam cedo,
para ver o nascer do sol.
Só ouço uns dizendo por que gostar.
Por que brigar.
Metade não sabe como amar.
Fazem guerra sem saber por quê.
ou como acabar.
Por que o lado dele é certo,
se ele saiu do lado de cá.
Porque eu não sei.
Mas posso começar a pensar.
O por quê dos porquês. 
Como vou explicar. 
Não sei porque comecei.
     Também sem porque vou parar.

terça-feira, 11 de maio de 2010

luxuosos transatlânticos












Em luxuosos transatlânticos
Os negros vinham da África
Para o Brasil
Gozando de mordomias faraônicas
Chegavam aqui com ar fagueiro e juvenil
E mal desembarcavam lá no porto
Com todo conforto
Em luxuosas senzalas iam se hospedar
Tratados a pão-de-ló
Comendo do bom e do melhor
Levavam a vida a cantar
Tratados a pão-de-ló
Comendo do bom e do melhor
Levavam a vida a cantar
Lararará lalaiá...
Nos campos e nas cidades
Naqueles tempos que não voltam mais
Reinava a mais perfeita harmonia
Tudo era alegria
Amor, carinho e paz
Até que exóticas ideologias
Fizeram o cativeiro acabar
Mas a índole mansa e pacífica
Dessa gente magnífica
Fez o negro se recuperar
No Brasil
Hoje no Brasil da liberdade
Onde tudo é igualdade
Sem distinção de raça e nem de cor
O negro agradecido
Ergue aos céus o seu louvor
Ô ô ô, ô ô ô
Ai que saudade dos carinhos do feitor
Ô ô ô, ô ô ô
Ai que saudade dos carinhos do feitor
Obrigado, Isabel


Nei Lopes/Claudio Jorge

domingo, 2 de maio de 2010

O Crime










O rico blinda,
O pobre ora,
A Mãe,
Ao pé da sepultura,
Chora.