terça-feira, 11 de maio de 2010

luxuosos transatlânticos












Em luxuosos transatlânticos
Os negros vinham da África
Para o Brasil
Gozando de mordomias faraônicas
Chegavam aqui com ar fagueiro e juvenil
E mal desembarcavam lá no porto
Com todo conforto
Em luxuosas senzalas iam se hospedar
Tratados a pão-de-ló
Comendo do bom e do melhor
Levavam a vida a cantar
Tratados a pão-de-ló
Comendo do bom e do melhor
Levavam a vida a cantar
Lararará lalaiá...
Nos campos e nas cidades
Naqueles tempos que não voltam mais
Reinava a mais perfeita harmonia
Tudo era alegria
Amor, carinho e paz
Até que exóticas ideologias
Fizeram o cativeiro acabar
Mas a índole mansa e pacífica
Dessa gente magnífica
Fez o negro se recuperar
No Brasil
Hoje no Brasil da liberdade
Onde tudo é igualdade
Sem distinção de raça e nem de cor
O negro agradecido
Ergue aos céus o seu louvor
Ô ô ô, ô ô ô
Ai que saudade dos carinhos do feitor
Ô ô ô, ô ô ô
Ai que saudade dos carinhos do feitor
Obrigado, Isabel


Nei Lopes/Claudio Jorge

Nenhum comentário:

Postar um comentário