domingo, 12 de junho de 2011

Permita-se








Permita-se
que garbosamente
se passem os dias
e com gracejos
abraços e beijos
se cumpram
com fulgor
e afaste-se das agonias.

Permita-se
aproximar-se dos incultos
porém belos
que por não saberem
o valor de seu trabalho
constroem para os cultos
somente pelo pão
os seus belos castelos.

Permita-se
num delírio poético
planar como o beija-flor
e sobrevoar
qualquer lugar
que queira apreciar
sem ser incomodado
seja ele onde for.

Permita-se
a ter dias
em que o nada
seja tudo a se fazer
e que ninguém
mas ninguém mesmo
nem por favor
exija uma mínima Ação
vinda de você.

Permita-se
viver descrente
no mundo
onde tudo
tem uma explicação
onde quem questiona
é louco
e quem aceita
é chamado cidadão.

Permita-se
a ser criança
sempre que der vontade
pois quando somos crianças
são os únicos momentos
em que agimos
simples e puramente
de verdade

Permita-se
sair na frente
para quando
olhar para o que passou
tenha a satisfação
de estender a mão
e puxar
quem o mesmo caminho
ainda não encontrou.

Permita-se
tudo
Permita-se
o nada
Permita-se
ver a lua
Permita-se
sentar-se nas calçadas
onde as leis
não são aplicadas
e tudo que se tem
são conversas afiadas

Só não permita
passar por esta vida
sendo coadjuvante
de sua própria história

E que ela seja contada
da maneira mais errada
ditada por terceiros
mostrando somente fracassos
e nunca as suas glorias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário