terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Enquanto ouço Nelson...



















Quando eu me chamar saudade
por favor,
não me procure mais

as vezes o fim não é a morte
e sim a triste partida
e de partidas em partidas
iniciam-se novas lidas

talvez suas preces
em meu favor sejam ouvidas
e eu seja feliz em uma nova vida

tornando-me assim a ti
como uma visita triste
um reles espinho
que não existe, mas insiste

sou o ninho pequeno
onde a garça não vê graça

enfim o juizo final
mas sem o bem e o mal
somente cada qual com seu cada qual

e o que nos reste são as folhas secas
levadas pelo vento no quintal

como eternizou o poeta
deixe me ir preciso andar
e esperar, depois da tempestade
o sol nascerá...